7 de set de 2011

Marcha contra corrupção quer reunir 30 mil no dia da Independência

Entidades organizam manifestação em ao menos 22 cidades brasileiras pelo fim do voto secreto e o fim da impunidade


Uma semana depois do arquivamento do pedido de cassação da deputada Jaqueline Roriz, flagrada recebendo dinheiro em um esquema conhecido como "mensalção do DEM", um grupo de entidades organiza para hoje, 7 de setembro, feriado da Independência do Brasil, uma marcha contra a corrupção e a impunidade. Os organizadores esperam reunir cerca de 30 mil manifestantes em Brasília e em outras 21 cidades do País. “Nosso objetivo já foi alcançado, que era ter mais inscrições que a Corrida da Cerveja. Temos 22 mil pessoas confirmadas pelas redes sociais, e acreditamos que mais pessoas irão aparecer na hora”, diz o organizador da marcha, Rodrigo Montezuma.
O movimento conta com o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), além de parlamentares.

Para o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, o importante é chamar a atenção para temas de combate à corrupção que ainda geram baixo engajamento popular. Entre esses temas estão o fim do voto secreto no Congresso Nacional, a celeridade no julgamento de casos de corrupção, o fim de emendas parlamentares individuais, a redução de cargos comissionados, a transparência nos gastos públicos e a declaração imediata da constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa, que aguarda julgamento definitivo no Supremo Tribunal Federal (STF).

O senador Pedro Taques (PDT-MT), um dos apoiadores da iniciativa, lembrou que várias das reformas que estão sendo reclamadas pela sociedade já tramitam pelo Congresso, mas que não há interesse político em votá-las. “Nosso grande desafio é descobrir formas de despertar a sociedade para que ela pressione por mudanças”. A ideia é que essas demandas componham uma carta de princípios que deve ser elaborada pelo grupo.

“Esse movimento visa a dar cobertura à presidenta. Não é a favor, nem contra, mas achamos que temos que dar força", diz Pedro Simon
Para o senador Pedro Simon (PMDB-RS), esse é o momento ideal para tentar combater a corrupção no Brasil. "Ao contrário dos governos anteriores, onde os fatos aconteciam e os governos não faziam nada, a presidenta Dilma Rousseff foi muito objetiva e clara. Demitiu o chefe da Casa Civil, o ministro do Transporte e está deixando claro que não vai aceitar corrupção no governo. Esse movimento visa a dar cobertura à presidenta. Não é a favor, nem contra, mas achamos que temos que dar força", diz.

No próximo dia 20 de setembro, no Rio de Janeiro, haverá uma nova manifestação envolvendo sociedade e empresários contra a corrupção e a impunidade na Cinelândia, no centro da capital fluminense.

Veja onde acontece a marcha contra a corrupção nesta quarta-feira:

São Paulo (SP): Av. Paulista, Em Frente Ao Masp
Campinas (SP): Centro De Convivência, Na Av. José De Souza Campos
Santos (SP): Praça Da Independência
Matão (SP): Praça Alfredo De Paiva Garcia
Itu (SP): Praça Souza
Brasília (DF): Museu da República
Belém (PA): Av. Presidente Vargas
Marabá (PA): Avenida Antônio Maia
Rio de Janeiro (RJ): Av. Rio Branco
Petrópolis (RJ): Praça Rui Barbosa
Belo Horizonte (MG): Praça da Liberdade
Uberlândia (MG): Praça Tubal Vilela
Goiânia (GO): Praça Cívica
Recife (PE): Praça Rio Branco
Salvador (BA): Câmara dos Vereadores (antiga Prefeitura)
Vitória (ES): Av. Getúlio Vargas
Cuiabá (MT): Praça Alencastro
Campo Grande (MS): Praça Ari Coelho
Porto Alegre (RS): Av. Loureiro da Silva
Curitiba (PR): Praça Santos Andrade
Jaraguá do Sul (SC): Praça Angelo Piazera
Londrina (PR): Calçadão de Londrina

(Com informações da Agência Brasil)

Nenhum comentário:

Postar um comentário